quarta-feira, 28 de novembro de 2018

Interpretando e espelhando a realidade como desejamos

Usando a técnica do espelhamento, a educadora Alana Gonçalves propôs aos educandos do Projeto Educação – Saberes da Esperança que, usando a linguagem verbal, citassem e escrevessem o nome de dez pessoas/personagens que eles admirassem.


Os educandos receberam uma folha e nela citaram o nome de dez pessoas e/ou personagens que admiram e, também, ao lado do nome, eles escolheram uma característica e/ou sentimento que definam aquela pessoa de sua escolha. Depois, os educandos compartilharam com os colegas quem eles admiram e o porquê da escolha daquela característica/sentimento.



O exercício procura espelhar a realidade como ela é, portanto, os educandos tiveram o poder de criar, interpretar e espelhar a realidade como eles desejam. No caso, a realidade tratada foi a de admiração por alguém.

Educandos sobem o morro do Calábria em atividade de Formação Humana


Contemplação da natureza, objetivo de vida e mensagens para o futuro foram alguns dos temas trabalhados na Formação da Pastoral deste mês. Para ilustrar os desafios da vida e a caminhada que cada um escolhe, bem como os objetivos traçados, os educandos foram convidados para fazer a trilha de subida do morro que fica localizado atrás do Calábria. Os alunos dos cursos Design Multimídia, Assistente Administrativo e Design Gráfico fizeram o trajeto juntos.


A subida mostra uma metáfora com os obstáculos da vida, mas com uma pausa para reflexão, ilustrando que é necessário respirar e silenciar para poder se ouvir melhor. A contemplação da natureza ao redor facilita o entendimento da necessidade de buscar o autoconhecimento. 


A subida é cansativa, mas a recompensa é válida pela paisagem que encontra-se no local. No topo do morro, os educandos puderam contemplar a cidade e reconhecer alguns espaços públicos como um shopping, os estádios de futebol, algumas das principais avenidas e prédios conhecidos. Após a parada para os registros fotográficos, uma nova parada para o lanche coletivo e, em seguida, recuperar o fôlego para a descida, onde o cuidado deve ser redobrado pela irregularidade do terreno.

Cápsula do Tempo

Antes da subida, os educandos foram convidados a pensar em uma mensagem que refletisse sobre como sua vida e aquilo que eles gostariam de deixar, de certa forma, como um legado. Em uma das paradas, os alunos foram convidados a depositar estas mensagens um uma cápsula do tempo, que reúne mensagens de outros estudantes que passaram pelo Calábria, que poderão ser abertas e lidas nos próximos anos por outros educandos.


Trabalho Educativo Informática participa de palestra sobre Direitos Humanos e Cidadania


Nos dias 20 e 22 de novembro, as turmas do Trabalho Educativo Informática foram contempladas com uma oficina sobre Direitos Humanos e Cidadania, ministrada pela Assistente Social do Centro de Referência em Direitos Humanos – AVESOL.


Esta oficina pode ser direcionada a qualquer faixa etária. Nestes dias o público-alvo foram os adolescentes dos projetos sociais do Centro de Cuidados do Calábria, que através de dinâmicas, bate-papo e metodologias audiovisuais agregaram conhecimentos junto ao processo de aprendizagem proposto pela educadora Thais Rocha durante o mês de novembro.


A temática que é de extrema importância, buscou desmistificar sensos comum sobre Direitos Humanos, mostrando-se como intimamente ligada aos mais variados aspectos da vida. Thais reforça que o momento trouxe em evidência o uso da voz como canal para a garantia dos direitos e a extrema importância do conhecimento sobre as leis.


“Embora ainda tenhamos limitações e exista barreiras que são maiores para uns do que para outros, é preciso darmos as mãos, buscar informações, lutarmos juntos por melhorias e garantia dos nossos direitos e exercer o poder de cidadania”, comenta a educadora Thais.


Trabalho Educativo utiliza “jogo dos privilégios” para falar sobre desigualdade social


No mês de novembro, as turmas do Trabalho Educativo Informática, na modalidade Temas Transversais, participaram de um jogo sobre desigualdade social orientados pela educadora Thais Rocha.

A proposta foi instigar a reflexão utilizando de perguntas elaboradas por ela e pelos educandos sobre diversos assuntos que envolvem a temática. Para iniciar a atividade os educandos escolheram seus lugares alinhando-se com os pilares, onde conforme a educadora realizava as perguntas, eles avançavam ou davam passos para trás.


Durante o jogo foram mencionadas perguntas como: Se você sempre estudou em instituição pública de um passo para trás; Se você considera que a sua família esteve sempre presente na sua infância de um passo para frente; Se você já ganhou alguma “mesada” alguma vez na vida de um passo adiante; Se você já ouviu piadas a respeito da sua cor de pele ou cabelo de um passo para trás.


Se você já realizou algum curso pago de um passo à frente; Se já desejou ter uma outra cor de pele de um passo para trás; Se sua casa já foi alagada ou você perdeu algum bem por morar em uma área de risco de um passo atrás.

Para realizar o fechamento, a educadora comenta que nesse jogo ninguém vence e sim observa o espaço das diferenças.

Para a vida, devem fazer com que os privilégios que observaram mudem, de forma que contemple todos e não apenas alguns. Precisam ter boas relações, buscar conhecimento e informações sobre seus direitos como adolescentes e cidadão para mudarmos esse cenário desigual, onde reforça a importância da participação nas políticas de assistência social.


Os educandos Márcio e Andrey comentam que não acham justo ainda hoje ser tão desigual. Sentiram-se mal ao ver colegas avançando e outros indo para trás. Eles ressaltam que gostariam de tornar o mundo mais igual e sem qualquer tipo de discriminação.

De acordo com a educadora, os educandos gostam de atividades lúdicas. E vê essa metodologia como oportunidade de mediação sobre qualquer temática, sendo um ótimo complemento no processo de aprendizagem. Ao longo do mês, as turmas realizaram estudos sobre desigualdade social também através de leituras, bate-papos e vídeos, onde compartilharam suas angústias sobre preconceito, discriminação, racismo, assim como, abandono, negligências, falta de empatia e oportunidades.

segunda-feira, 26 de novembro de 2018

Direitos e deveres de um profissional ético e realizado


coordenadora do departamento pessoal Suzi Moreira do Calábria foi convidada a dar a palestra sobre Departamento pessoal Direitos e deveres de um profissional ético e realizado para a turma curso Assistente Administrativo turno tarde, turma que irá se formar em janeiro.


Durante a palestra destacaram-se os seguintes pontos: função do departamento pessoal; funções do departamento de direitos e deveres do funcionário e ética no trabalho. Os educandos participaram com perguntas e com dúvidas sobre o assunto


Atividade avaliativa no Microsoft Word com educandos do Calábria


No último mês, educandos aplicaram seus conhecimentos, utilizando recursos estudados em aula, na criação de um documento individual no aplicativo Microsoft Word que tem como tema de trabalho uma música de preferência do educando.


A atividade tinha como objetivo a produção de um documento com utilização de tabelas e seus mais diversos recursos, formatação e personalização de imagens, inserção de vídeos online no documento e um comentário do educando sobre o porquê da escolha da música.


Os educandos apresentaram trabalhos muito bem elaborados, com ênfase na personalização das imagens escolhidas por eles, seus comentários sobre a música ou até mesmo sobre o cantor. “Compartilharam com os demais colegas uma seleção bem eclética de gênero musical”, revela o educador da turma José Maciel. 


Educandos participam de palestra sobre sexualidade e prevenção de DSTs

A ONG Avesol, através do representante Pedro, ofereceu uma palestra aos educandos da oficina de Trabalho Educativo - Lanches Rápidos. Nesta ocasião, foi feita uma apresentação abordando assuntos como feminismo, machismo, violência de gênero, orientação sexual, os métodos contraceptivos masculinos e femininos mais utilizados e as formas de se ter acesso a eles, as consequências de gestações na adolescência e os sintomas, efeitos e formas de prevenção das principais doenças sexualmente transmissíveis, focando mais especificamente na AIDS. 



“Informação sempre é a melhor alternativa para as tomadas de decisão mais acertadas em todas as instâncias da vida, e com os adolescentes não seria diferente”, pontua a educadora da turma Michela Carvalho.


A educadora defende, ainda, que é fato que os jovens estão iniciando a vida sexual cada vez mais cedo, então se faz necessário instruí-los a respeito de assuntos como a sexualidade masculina e feminina, os métodos contraceptivos que estão à disposição, principalmente no sistema público de saúde, e como se prevenir das doenças sexualmente transmissíveis.

Dinâmicas em grupo mudam rotina do curso de Padaria do Calábria


No último mês, educandos do curso de qualificação em Padaria e Confeitaria realizaram atividades diferenciadas que os tiraram da rotina. Os jovens foram desafiados em diversas atividades em grupo, como o “guia cego” e a “torre de palitos”.


Na primeira proposta, os aprendizes formaram duplas. Um aluno vendou os olhos, quando o objetivo foi conduzir o colega pelo pátio com atenção de forma que não colidisse com nenhum objeto. Depois as funções foram invertidas.


Já na Torre de palitos cada equipe ganhou tesoura, fita adesiva e palitos de churrasco. O desafio era construir a maior torre de palitos, ela deveria se alta, ser de palitos e se sustentar sozinha.


Segundo a educadora da turma Cristina Balbueno, o objetivo é aprender a ouvir a opinião do colega, construção de estratégia de trabalho e buscar a melhor solução para o grupo.

Peça Teatral “Novos Olhares Para a Vida”


As turmas do Trabalho Educativo – Informática, do turno manhã, iniciaram ensaios para a peça de teatro adaptada “Novos Olhares Para a Vida”. O objetivo foi trabalhar também habilidades como leitura, compreender o sentido e a intenção e analisar a estrutura dos textos.



De forma lúdica, os educandos desenvolveram a atenção nos conteúdos desenvolvidos e novas maneiras de estudo. Com auxílio do educador Fabio Neves, no laboratório de informática, nos dias 05, 06 e 09/11/, os educandos modificaram um texto para os ensaios e cada um pensou como poderia contribuir na modificação do texto, materiais e assim por diante.


Alguns se permitiram perder a timidez e falar público. “Essa será a terceira experiência de teatro e eles não vêm a hora de subir no palco novamente”, revela Fábio.
O grupo, depois despertar alguns talentos, se mostra mais unido e com objetivos comuns para trilhar uma caminhada construída juntos.

Formulas Geométricas e Consciência Negra são temas do Educação Integral




Nos dias 20 e 21 de novembro, na oficina de numeramento, com a educadora Mellory, os educandos do projeto Educação Integral – Saberes da Esperança desenvolveram o conteúdo de formas geométricas utilizando círculos, triângulos, retângulos e quadrados, onde cada educando recebeu uma folha de ofício e através de moldes das formas deveriam desenhar pessoas que fossem referências para eles no dia da Consciência Negra.


Aproveitando a referente data, com a finalidade de desenvolver um cartaz para exposição, foi trabalhado palavras como “intolerância”, “vergonha”, desrespeito”, “discriminação” e “desigualdade” idealizando, segundo a educadora da turma, que o fim da abolição não representou o fim dos problemas sociais para os escravos libertados, “pois também havia resistência tanto no aspecto religioso quanto cultural, associando a problemática aos tempos atuais”, defende Mellory. 


Educandos do Trabalho Educativo pensam jogos com a informática


Nos dias 06 e 8 de novembro, os educandos orientados pelo educador Fábio Neves do Trabalho Educativo Informática foram desafiados a construir jogos quem contenham os conhecimentos vistos durante as atividades.


 Nessa primeira fase, eles optaram por fazer um quis, onde se organizaram em grupos para trabalhar o tema: ferramenta de edição de texto. Cada equipe teve como tarefa criar um nome de equipe e em seguida montar seu questionário com respostas de múltiplas escolhas ou resposta direta.


Segundo o educador, os jovens fortaleceram o conteúdo aplicado durante o ano e experimentaram outra forma de aprendizagem.